Auto da Compadecida

Sala Marília Pêra

A nova montagem da peça Auto da Compadecida, que esta em cartaz desde abril 2012. A iniciativa é da Cia Limite 151, que já havia produzido espetáculo com outro texto do autor, O Santo e a Porca (direção de João Fonseca), sucesso de público e crítica, aplaudido pessoalmente por Suassuna. Com um elenco formado por 12 atores, entre eles Gláucia Rodrigues, Rafael Fetter Edmundo Lippi, Janaína Prado, Jacqueline Brandão, direção de Sidnei Cruz a peça foi Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Figurino de 2012.

A peça fala das aventuras de João Grilo, um sertanejo pobre e mentiroso, e Chicó, o mais covarde dos homens. Ambos lutam pelo pão de cada dia e atravessam por vários episódios enganando a todos da pequena cidade em que vivem, até conseguirem através de suas confusões a ira do temido Cangaceiro Severino de Aracaju.

A história serve como pano de fundo para mostrar problemas sérios encontrados no Nordeste brasileiro, como o coronelismo, a pobreza extrema em que algumas pessoas se encontram e várias figuras populares na região, como o cangaceiro. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962 por Sábato Magaldi como “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”.

O espetáculo dirigido por Sidnei Cruz potencializa as linhas matriciais contidas na dramaturgia de Ariano Suassuna. O espaço cênico lembra um picadeiro de teatro de circo, e o jogo de cena dos atores é inspirado nos brincantes dos folguedos populares. As embrulhadas de João Grilo (Gláucia Rodrigues), sempre acompanhado pelo fiel escudeiro Chicó (Rafael Fetter), o levam ao céu para enfrentar o juízo final, onde o diabo faz de tudo para pegá-lo e ele faz de tudo para escapar, para tanto conta com a preciosa colaboração da Compadecida. As peripécias são narradas e pontuadas por palhaços e caretas que aparecem em diversas situações em forma de coro ou jogral. A comicidade popular e irreverente dos autos populares nordestinos e do teatro de mamulengos são as referências para o ritmo, a movimentação e os desenhos coreográficos da encenação. Pequenas arquibancadas móveis, cortinas, figurinos coloridos e rústicos dão o tom carnavalizado de comicidade bruta de feira e praça pública.

Famosa pela montagem de clássicos, a Cia Limite 151 completou 30 anos em 2011 e, dois anos antes levou aos palcos outro texto de Suassuna, O Santo e A Porca, que, além de lhe render sucesso de público e crítica, ganhou vários prêmios. Na ocasião, Gláucia Rodrigues, uma das fundadoras da Cia, foi indicada ao prêmio Shell por sua interpretação da criada Caroba. Desta vez, Gláucia vai enfrentar um desafio ainda maior. Vai dar vida a João Grilo, protagonista do espetáculo. “Eu não ia participar dessa montagem. Fiquei durante dois anos viajando com O Santo e A Porca pelo país afora e confesso que estava pensando em tirar férias. Além disso, nenhum dos personagens femininos do espetáculo me estimulava. Foi quando o Edmundo Lippi e o Wagner Campos, que são os outros fundadores da Cia, me perguntaram se eu não toparia fazer o João Grilo. Aí sim, virou desafio. Esse era o combustível que eu estava precisando para voltar ao palco”, conta Gláucia, que já fez outro personagem masculino, Scapino de Molière. Para o diretor, a ideia de escolher Gláucia para interpretar João Grilo foi uma “sacada” muito feliz dos dois, pois Glaucia já vinha de uma experiência anterior compondo personagens masculinos. “Aliás, grandes atrizes sempre escolhem esse caminho em vários momentos de suas carreiras. Ela, Glaucia, está construindo um João Grilo universal – e, ao mesmo tempo, particularíssimo – estruturado em suas ações arquetípicas, revelando o estado físico e a mentalidade de um tipo brasileiro, esperto, malandro, sem caráter, palhaço, pobre, astuto e criativo”, garante Cruz, que já dirigiu a Cia Limite 151 em A Moratória de Jorge Andrade, O Olho Azul da Falecida de Joe Orton, Os Contos de Canterbury de Geoffrey Chaucer e fez a adaptação do Frankenstein de Mary Shelley.


Elenco: Gláucia Rodrigues, Rafael Fetter, Edmundo Lippi, Jacqueline Brandão, Janaína Prado, Alexandre Mofati, Marcio Ricciardi , Robson Santos, Paulo Japyassú, Bruno Ganem, Renato Perez, André Frazzi e Luiz Machado.

Direção: Sidnei Cruz

Cenário: José Dias

Figurinos: Samuel Abrantes

Iluminação: Aurélio De Simoni

Direção musical: Wagner Campos

Programação visual: João Guedes

Fotos: Guga Melgar



1 comentários

Deixe seu comentário