Estamira – Beira do Mundo

Sala Tônia Carrero

Uma catadora de lixo, doente mental crônica, com uma percepção do mundo surpreendente e devastadora. A peça não só é um documentário sobre Estamira, mas também um depoimento pessoal e artístico de Dani Barros, que reconheceu na história da personagem da vida real retratada no filme de Marcos Prado parte de sua experiência pessoal. O pano de fundo da história é o lixão, porta pela qual adentramos o universo de Estamira. Lá são encontradas cartas, memórias, histórias que não conseguimos jogar fora.


Direção e dramaturgia: Beatriz Sayad Atuação, dramaturgia e idealização: Dani Barros Assistente de direção: Marina Provenzano Luz: Tomás Ribas Figurino: Juliana Nicolay Cenário: Aurora dos Campos Colaboração: Beatriz Sayad e Dani Barros Direção musical: Fabiano Krieger e Lucas Marcier Técnico e Operador de Luz: Jarbas Sardinha Programação Visual: Cubículo (Fábio Arruda e Rodrigo Bleque) Operador de som: Sandro Lima Assistente de cenografia: Camila Cristina Costureira: Cleide Moreira Preparação de ator: Georgette Fadel Preparação vocal: Luciana Oliveira (fonoaudióloga) Canto: Marina Considera Preparação corporal: Cristiana Wenzen Fotografia: Barbara Copque e Felipe Araújo Lima Voz do fado: Soraya Ravenle Preparador vocal (Soraya): Felipe Abreu Colaborou para esta criação: Ana Achcar Edição de Vídeo: Antonio Baines Assessoria de imprensa: Daniella Cavalcanti Assistente da Assessoria de imprensa: Bruna Amorim Assistência de Produção: Nathalia Atayde Direção de Produção: Dani Barros Produção executiva: Gabriela Rocha Coordenação geral do projeto: Dani Barros Realização: Momoenddas Produções Artísticas



7 comentários
  • Fui assistir a este espetáculo no Lura Alvim. Dani – Esatmira me fez chorar do primeiro ao último minuto. Foi impactante. Já não sabia mais se era pela beleza do espetáculo como um todo ou se pelo mergulho que Dani Barros dá em sua personagem. Perdi o ar várias vezes. Nunca havia experimentado essa emoção no teatro. Surreal, preciso repetir a dose, porque um pouco de dani faz bem à sáude. Lava a alma. É visceral, corajosa; essa moça se joga na interpretação e se mistura à personagem, provocando na gente um turbilhão de emoções. Me vi Estamira, me vi médica psiquiatra, me vi Estado e me vejo o tempo todo abandonada junto com a população de pobres e loucos na rua.
    Estamira dói na alma. É um tapa bumerangue da nossa sociedade. Aqui produzimos Estamiras e também os que dela abusam ou debocham. Nossa sociedade está doente. Nós estamos doentes. Hoje Estamora está curada, liberta e deixou sua vida como exemplo. Valeu dani Barros por tanta emoção. Estamira é o espetáculo do ano e Dani tinha mesmo que levar tantos prêmios. De onde estão, Estamira e sua mãe estarão na primeira fila aplaudindo de pé !

  • Murilo Andrade disse 21 de abril de 2012 às 22:06

    Os comentários, mais do que merecidos, feitos por Katia Carvalho pontuam bem o espetáculo que é Dani Barros no palco vivendo Estamira. Dani Barros é mesmo tudo isso. Mas vou além. Aproveito para acrescentar uma observação que torna ainda mais preciosa a performance dessa laureada atriz no resgate da loucura desassistida e incompreendida. Justifico: num cenário de intensa dramaticidade em que se passa o drama vivido por Estamira, Dani Barros consegue, em não raros momentos, arrancar do público incríveis, inesperados e insuspeitados sorrisos.
    Cá, venhamos, tratar com refinado humor a degradação da alma sem cometer o menor vilipêndio à memória da figura retratada é coisa de craque. Revela a capacidade de lidar com o metatexto que só a ousadia do talento do ator permite extravasar e comunicar com a plateia. O riso, como simbolismo do que ocorre em Estamira exigiria de nós um profundo mergulho nos conceitos teóricos que a história da filosofia consagrou através dos escritos de Nietzsche e Bérgson. Naturalmente, o que não me proponho a fazer aqui, mas que, por si, revela um diferencial na atuação da Dani. Eu, na qualidade de admirador da Danielle e do conjunto de sua obra sinto-me confortável em aplaudi-la, mas ir além, tentando buscar o que vai além da admiração é que instiga e encanta.
    Dani Barros, parabéns por dar vida, cara, nome e sobrenome à lucidez que sobrevem à loucura.

  • Tenho medo de ir e ficar deprimida. A Dani interpreta com perfeição Estamira. Só vi na entrevista com Leda Nagle na REde Brasil. Fiquei até com medo!!!

  • Ela é meu tema de monografia! Sem palavras!.Amoooo!

  • É muito importante que eu veja essa peça e eu também queria muito, mas não dá pelo preço!
    Entendo as condições dos atores de teatro no nosso país, mas também entendo as condições da população, né. Queria muito mesmo assistir. Uma pena.

  • Patricia Domingues disse 7 de maio de 2012 às 14:23

    foi fantástica a interpretação da Atriz Dani Barros,ela sem dúvidas é uma das melhores atrizes dos últimos tempos é impressionante a peça , parece que estamos vendo a Estamira,e o que me toca mai é saber que é uma história real que aconteceu bem próximo de mim pois conheci a Estamira de verdade foi emocionante e acho que todos deveriam assistir essa peça,pq a Dani é show de interpretação !

  • Fui assistir a convite de um amigo. Seu conhecer nada da sobre Estamira tive receio de não entender a peça. No fim o mais importante conhecer: senti. Dani me emocionou, cativou, prendeu durante todo o tempo. Maravilhosa!

Deixe seu comentário