Foi você quem pediu para eu contar minha história

Sala Fernanda Montenegro

Com produção de Paolla Oliveira, Mariana Nogueira (BTArtes) e Beta Leporage (Voleio Produções Artísticas), a partir do dia 28 de maio, o Teatro Leblon (Sala Fernanda Montenegro) recebe o espetáculo “Foi Você Quem Pediu Para Eu Contar Minha História”, com texto da francesa Sandrine Roche, adaptado por Thereza Falcão e com direção de Guilherme Piva. No palco, Fernanda Vasconcellos, Bianca Castanho, Karla Tenório e Talita Castro dão vida a quatro meninas que brincam de inventar histórias. Elas apresentam suas memórias, mais ou menos reais, seus medos, suas vidas sonhadas. Através de um jogo, à primeira vista inocente, e a partir de temas que elas abordam, como a feminilidade, a misoginia, o status social e o corpo da mulher, observamos como essas meninas podem ser – com elas mesmas e com os outros – cruéis, perversas, bem humoradas, ambivalentes e, assustadoramente, lúcidas.

Segundo Guilherme Piva, o foco da montagem foi trabalhar com as atrizes a agilidade e rapidez com que as crianças entram e saem de histórias e estados emocionais. “Tenho muito interesse em pesquisar e entender como infâncias interrompidas de amor, afeto, regras e cuidados se reorganizam e sobrevivem nesse mundo. Outro ponto que trabalhamos muito foi o jogo que se estabelece entre crianças que se encontram na mesma situação de desamparo. Como seria a amizade entre essas crianças? Quais seriam suas brincadeiras e escapes?” – conta o diretor.

Neuf Petites Filles (push & pull), de Sandrine Roche, é um texto contemporâneo, inédito no Brasil, com uma ampla difusão internacional justamente neste ano – França, Canadá, Estônia e Brasil. O texto, vencedor da Jornada de Lyon de Autores Teatrais 2011, sendo publicado pela Éditions Théâtrales, foi escrito e realizado em uma parceria da Associação Perspective Nevsky com o Thêatre du Cercle (Rennes).

“As meninas que eu coloco em cena questionam a sociedade, os corpos e os discursos confusos. Como o indivíduo se constrói? Com quais meios? Quais referências de palavras, de comportamentos? Será o vocabulário que determina a pessoa ou a pessoa que escolhe o seu vocabulário? Será que as imagens dos corpos nos constroem ou nós que moldamos o nosso próprio corpo para nos tornarmos o que somos?” – afirma Sandrine Roche.


Texto: Sandrine Roche

Adaptação: Thereza Falcão

Direção: Guilherme Piva

Elenco: Fernanda Vasconcellos, Bianca Castanho, Karla Tenório e Talita Castro

Cenário: Paula Santa Rosa e Rafael Pieri

Figurino: Carol Lobato

Projeto de luz: Renato Machado

Trilha sonora: Marcelo Alonso Neves

Fotografia: Rodrigo Lopes

Assessoria de Imprensa: Daniella Cavalcanti

Mídia Digital: Chermont BR

Maquiagem (fotos): Edilson Ferreira

Programação visual: Jaqueline Sampin

Vídeo Promocional: Videobooks Brasil

Operador de som: Gabriel Lessa

Operador de luz: Hélio Malvino

Assistente de direção: Lucas Massano

Assistente Assessoria de Imprensa: Fernanda Miranda

Cenotécnico: Attom Motta

Equipe de cenotécnica: Luciano Lucas, Carlos Dimas, Jorge Paé, Anderson Henrique e José Navarro

Captação lei Rouanet: Andreia Paiva

Coordenação administrativa leis: Antonio Camões

Direção de palco:  Cedeli Martinusso

Produção executiva: Luis Fernando Bruno e Lucas Massano

Elaboraçāo: Mariana Nogueira

Direção de produção: Beta Leporage

Produtoras associadas: Paolla Oliveira, Mariana Nogueira e Beta Leporage

Patrocínio: Brasilcap

Realização: PAOLLA OLIVEIRA PRODUÇÕES, BTARTES e VOLEIO PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

 



Nenhum comentário

Deixe seu comentário