Mini Manual de Qualidade de Vida

Sala Tônia Carrero

O espetáculo aborda, de forma leve e bem-humorada, uma das questões mais delicadas (e pertinentes) do homem contemporâneo: como organizar a própria vida tendo como parâmetros os ‘padrões de qualidade‘ estabelecidos pela sociedade. Segundo estes preceitos, o indivíduo deve ser culto, bem sucedido (pessoal e profissionalmente), analisado, bonito e estar em plena forma física. São tantas as demandas externas, que a pessoa passa a sublimar as próprias necessidades individuais, travando uma batalha inglória contra o relógio e também contra as próprias limitações.

- O assunto da peça é do interesse de todos! É justamente sobre essa luta entre uma pessoa que vive no mundo moderno e a necessidade de encaixar momentos de equilíbrio e saúde em meio a situações conturbadas e adversas – contextualiza Daniela Ocampo.

Em cena, Alexandra Richter interpreta Angelina Pimenta, uma palestrante que apresenta à plateia um livro que pretende otimizar o tempo das pessoas, torná-las melhor informadas, manter corpo e mente em harmonia, enfim, toda uma sorte de requisitos ‘fundamentais’ para a tão almejada felicidade. “A personagem fala sobre qualidade de vida, só que ela mesma é uma pessoa completamente desorganizada, atrapalhada, sem planejamento, mas com um ‘FIB’ (felicidade interna bruta) altíssimo e, logo no início da palestra, já deixa claro que as “dicas” dela são mais interessantes do que qualquer manual“, explica Alexandra.

O minimanual de qualidade de vida é dividido em capítulos, só que a própria personagem não conseguiu ler todos, e isso vai ficando claro no decorrer da peça:

- No final, ela descobre que todos os capítulos e regras devem ser feitos em 24 horas e chega à conclusão de que isso é impossível no mundo de hoje. Segundo ela, os físicos vão descobrir que o dia, hoje em dia, tem menos de 24 horas. E a “solução” encontrada por ela é se mudar para um outro planeta, muito mais longe do sol, e que leva muito mais tempo para cumprir a órbita inteira. Enfim, Angelina não resiste e entra, ela mesma, em colapso – complementa Alexandra.


Texto: Ana Paula Botelho e Daniela Ocampo

Direção: Daniela Ocampo

Direção de Produção: Gustavo Nunes

Assistente de Direção: Barbara Duvivier

Assistente de Produção: Adriana Lemos

Captação de recursos: Renata Borges Pimenta

Cenografia: Clívia Cohen

Cenotécnico: Adriano

Costureira: Socorro

Designer: Patricia Façanha

Diretor de Cena: Hildo de Assis

Figurinista: Patrícia Muniz

Filme de abertura: Eduardo Chamon

Fotógrafo: Dalton Valério

Iluminador: Orlando Schaider

Operador de Som e Multimídia: Janser Barreto

Preparação Corporal: Márcio Cunha

Preparação Vocal: Rose Gonçalves

Produtor Executivo: Helber Santa Rita

Trilha Sonora: Paulo Mendes

Videografismo: Rico e Renato Vilarouca

Visagismo: Fernanda Santoro

Produção: Turbilhão de Ideias

Patrocínio: Bradesco Seguros

Realização: Ministério da Cultura e Lei Federal de Incentivo à Cultura

 



Nenhum comentário

Deixe seu comentário