Subversões 21

Sala Tônia Carrero

A partir de 17 de março, espetáculo estrelado por Aloísio de Abreu, Luis Salem e Márcia Cabrita ocupa o horário nobre do Teatro do Leblon, de quinta a domingo. A reestreia será marcada ainda pela entrega da nova edição do Prêmio Subversões.

Aloisio de Abreu, Luis Salem e Marcia Cabrita foram convidados para ocupar o horário nobre do Teatro do Leblon, onde reestreiam ‘Subversões 21’ a partir de 17 de março. A reestreia contará com a entrega do Prêmio Subversões, cuja última edição aconteceu em 2004. Irreverente como o trio de atores e o espetáculo, a premiação investe em categorias inusitadas (Adriana Calcanhotto foi vencedora na categoria ‘Pra Quem a Gente Quer Dar, naquele ano; Mart’nália foi agraciada na categoria ‘Homem do Ano’; Juliana Paes recebeu o troféu de ‘Melhor Elizângela’ das mãos da própria atriz e Marília Gabriela foi vitoriosa na categoria ‘A Inveja é uma Merda, por Reynaldo Gianecchini). Os indicados ao prêmio em 2011 serão anunciados a poucos dias da cerimônia de entrega.

‘Subversões 21’: 21 anos de sucesso
Em maio de 1990, Aloísio de Abreu e Luis Salem se juntaram para apresentar um show que, calcado em provocativas versões para músicas de sucesso, já nascia cult. Márcia Cabrita se uniu à dupla logo no início e, de 1990 para cá, ‘Subversões’ ganhou cinco diferentes montagens (a atual é a sexta), nem sempre com a formação original. Completando 21 anos, o projeto volta a reunir o tri o, sob o título de ‘Subversões 21’, agora no Teatro do Leblon. Além de clássicos como ‘Meu Nome é Creuza’ (versão para ‘O Amor e o Poder’, hit eternizado na voz de Rosana), o trio investe em novidades, recém saídas de fábrica, caso de ‘Gargalhada Já’ (versão de Bad Romance, de Lady Gaga).

“O ‘Subversões’ está de volta pois, em 2011, completa 21 anos, uma data especial e significativa. Especial porque é a volta ao início de tudo, às reuniões de criação com a mesma equipe, e significativa porque os três subversivos estão mais maduros, mais ricos, ainda mais velozes e mais furiosos”, garante Aloísio de Abreu. A referida equipe conta com nomes como o de Stella Miranda, na direção, e Gringo Cardia, na direção de arte, amigos e parceiros de longa data dos subversivos.

Nesta sexta montagem de ‘Subversões’, os compositores nacionais voltam a ser brindados pelo trio com hilariantes versões para canções de sucesso: Caetano Veloso, ‘homenageado’ clássico, surge desta vez na voz do trio com uma versão para ‘Tieta’, intitulada ‘Tarja Preta’. Outras canções de Caetano também percorrem o repertório do show, entre elas ‘De Novo é Novo’, versão para ‘De Noite na Cama’ e ‘Bundalada’, deboche para ‘Nossa Gente’, além da já tradicional ‘Pizzaria Guanabara’, que se apropria do ritmo de ‘Estrangeiro’. Chico Buarque e Jorge Ben Jor  são outros a terem músicas adaptadas em ‘Subversões 21’, numa mistura que permite ainda a inserção de ‘My Way’, eternizada na voz de Frank Sinatra, rebatizada como ‘Me Paguem’.


Direção Geral:  STELLA MIRANDA
Versões:  ALOISIO DE ABREU e LUÍS SALEM
Elenco: Aloísio de Abreu, Luis Salem e Márcia Cabrita
Direção de Arte:  GRINGO CARDIA
Direção Musical:  ANDRÉ POYART
Arranjos:  ANDRÉ POYART e FERNANDO MOURA
Iluminação:  PAULO CESAR MEDEIROS
Coreografia:  MARCIA CABRITA
Figurinos:  Adriana Leite e Isabel Salustiano
Costureira:  SÔNIA
Assessoria de Imprensa:  BARATA COMUNICAÇÃO
Direção de palco e elenco de apoio:  JOTA BRUNO
Camarim:  ROBERTA MIRANDA
Administração:  RODOLFO BOTTINO      
Assistente de Cenografia:  JACKSON TINOCO
Programação Visual:  FLAVIA CASTRO
Fotos:  ROBERT SCHWENCK
Vídeo “Nós Somos Bons”:  SANDRA KOGUT e ROBERTO BERLINER
Clip “Subversões”:  EDUARDO LLERENA



31 comentários

Deixe seu comentário