A Varanda de Golda

Teatro Fashion Mall - Sala II

O monólogo A VARANDA DE GOLDA  apresenta um dos períodos mais ricos da história de Israel. Durante a guerra do Yom Kippur em 1973, a primeira ministra Golda Meir luta para conseguir a ajuda dos Estados Unidos que significava a única esperança de sobrevivência do Estado de Israel. No espetáculo, que tem direção de Ary Coslov, Golda Meir é interpretada por Rosane Gofman.

 O espetáculo traz à tona os dois lados da vida política de Golda: uma mulher enraizada nos conceitos éticos do kibbutz, mas que por outro lado, em segredo, comanda o desenvolvimento das armas mais destrutivas que o homem criou: as armas nucleares. Com mais de 30 anos de carreira em teatro, a atriz Rosane Gofman enfrenta o desafio de interpretar essa grande mulher. “É muito difícil interpretar uma personagem que existiu, ainda mais uma grande mulher como a Golda. É uma peça difícil, com muito texto, e traz um certo medo mesmo, mas estou alucinada com esse trabalho, apaixonada pelo diretor e isso me dá tranqüilidade para enfrentar a responsabilidade de interpretar alguém tão importante para a história mundial”, revela a atriz, que já viveu no palco a experiência de outro monólogo, Amor Perfeito de Denise Crispum.

 Rosane Gofman fala da parceria com o diretor Ary Coslov com bastante entusiasmo. O projeto da peça já existia há cerca de quatro anos, mas Coslov só assumiu a direção este ano. “Estou aprendendo muito com ele e isso está sendo muito importante para a criação da personagem. O Ary sabe muito sobre essa parte da história e me traz todas as informações que eu preciso”. Por outro lado, o diretor garante que a atriz é perfeita para o papel. “é um texto muito vibrante, com alguns suspenses, algumas surpresas apesar de todos já conhecerem a história de Golda. É um bom exemplo da dramaturgia americana da mais alta categoria”, garante Coslov.

 Meir se reveza entre telefonemas desesperados para Henry Kissinger e o embaixador dos Estados Unidos em Israel, Simcha Dinitz, e seu chefe de equipe, David Elazar. Revivendo sua história pessoal, ela nos leva aos seus primeiros anos sob o comando dos russos, para sua infância em Milwakee e sua paixão simultânea pelo Sionismo e por Morris, o homem que quis casar-se com ela, e casou, mesmo declarando “amar você é como amar a Pedra de Gibraltar.”

 Os trechos da vida privada de Golda nos dão amplitude e competência para a situação central. A história de uma mulher determinada a fazer mais do que apenas bolinhos motza, integrando sua vida com a do país que lutou para ver nascer em 1948. A peça se move organicamente do presente para o passado e do pessoal para o político.


Elenco: Rosane Gofman como Golda Meir 

Texto: William Gibson

Direção: Ary Coslov e Marcelo Aquino.

Cenário e figurino: Colmar Diniz

Iluminação: Rogério Wiltgen

Programação Visual: João Carlos Guedes

Divulgação: Ana Gaio

Fotos: Guga Melgar

Produção Executiva: Valéria Meirelles

Direção de Produção: Guilherme Palmeira

Realização: Júpiter Teatro Produções



Nenhum comentário

Deixe seu comentário